fbpx

Mais uma postagem politicamente incorreta pra pra você.

A história completa do Voto Impresso: o que você NÃO deveria saber.

Conteúdo protegido. Quer uma cópia? Comente, compartilhe e me chame no WhatsApp.

O que você imaginar, personalizamos pra você.

Surpreenda no presente de casamento, bodas, aniversários. Clique na imagem e saiba mais no site do fabricante.

A discussão explodiu ontem no Twitter após publicação da jornalista tucana Mônica Bergamo.

https://twitter.com/monicabergamo/status/1347195847222702080?s=20

Brasileiro tem memória de peixe e esquece rápido das coisas, mas essa postagem vai ajudar a lembrá-las.

As urnas eletrônicas eram auditáveis até lula decidir que não seriam mais.

Lei Jobim: 10.408 de 10 de Janeiro de 2020.

Leia na íntegra no site oficial do Palácio do Planalto.

Pra baixar essa imagem, clique aqui.

A lei foi revogada por sabe quem? Lula. Uma das primeiras coisas que fez em seu primeiro mandato.

Linha do tempo do voto impresso no Brasil.

1932

1ª CÓDIGO ELEITORAL Brasileiro. Presidente: Getúlio Vargas.

O primeiro Código Eleitoral, de 1932, previa em seu artigo 57 o “uso das máquinas de votar, regulado oportunamente pelo Tribunal Superior (Eleitoral)”, devendo ser assegurado o sigilo do voto. Não existiam as tais máquinas no Brasil, só a previsão legal.

O Código surgiu com a finalidade de organizar, dar transparência e coordenar as eleições. Além disso, um dos principais objetivos da Revolução de 1930 foi justamente moralizar e modernizar o sistema eleitoral, reduzindo as denúncias de fraudes, que aconteciam desde os tempos do Império.

Quem podia votar?
Todos acima de 21 anos.

VOTO FEMNINO finalmente foi instituído aqui.

Cadastro ùnico de Eleitores

O pontapé inicial para a criação do sistema informatizado de votação foi dado com a consolidação do cadastro único e automatizado de eleitores. Isso começou em 1985 e foi finalizado em 1986, na gestão do ministro do TSE Néri da Silveira, quando o Brasil contava com cerca de 70 milhões de eleitores. Antes, não havia um registro nacional, o que abria espaço para fraudes no cadastro.

Isso já sinaliza para o que estava por vir: os militares estavam preparando o país para a redemocratização.

Presidente: João Figueiredo

1984
1990

Última eleição sem urnas eletrônicas.

Em 1988, a Constituição mais progressista da história é promulgada sob muitas influências dos movimentos socialistas que viveram pra ver a queda do muro de Berlin mas que, apesar do socialismo estar morto na Europa, tava crescendo no Brasil, prova disso foi a eleição recorde de congressistas comunistas que até pouco tempo atrás estava na luta armada.

A CF/88 estabeleceu a eleição direta para os cargos de presidente, governador, prefeito, senador, deputado e vereador. Instituiu ainda o referendo e o plebiscito como formas de participação popular. A nova Constituição também confirmou o voto facultativo para os analfabetos e estabeleceu o mesmo tipo de voto para os jovens de 16 e 17 anos e para os idosos com mais de 70 anos.

Demora na contagem: em 1990 a contagem de votos consumia horas, dias e até semanas.

As fraudes eleitorais.
Como tudo era manual, erros e trapaças eram comuns.
As principais irregularidades incluíam o preenchimento de cédulas com votos em branco em favor de um candidato e votos nulos interpretados ao gosto de quem fazia a leitura. A subtração e inclusão de cédulas também era corriqueira. 

Em alguns casos, os problemas começavam antes da apuração. Um exemplo disso era a estratégia do “voto formiguinha”. Funcionava assim: um eleitor recebia a cédula do mesário, entrava na cabine de votação e colocava um papel qualquer na urna de lona. A cédula oficial, ainda em branco, era entregue a uma pessoa fora da seção, que assinalava os candidatos desejados e a repassava a outro eleitor. Este tinha a incumbência de depositar a cédula já preenchida na urna, pegar outra em branco e levar novamente ao líder do esquema, e assim por diante. O resultado era a manipulação do pleito.
Havia ainda a tática das “urnas emprenhadas”. Como elas tinham apenas um cadeado e lacres de papel, muitas já chegavam “grávidas” à seção, isto é, recheadas de votos.


O teste: 1ª eleição com urnas eletrônicas.

Em 1994, sob a Presidência do ministro Sepúlveda Pertence, o TSE realizou pela primeira vez o processamento eletrônico do resultado das eleições gerais daquele ano com recursos computacionais da própria Justiça Eleitoral.
Pela 1ª vez um candidato foi oficialmente eleito no mesmo dia da votação: às 23hs.
Poucos eleitores votaram nas urnas. Não encontrei o número em nenhum site.
Presidente: Fernando Henrique Cardoso.

1994
1995

TSE decide por implantar o voto eletrônico apesar da tecnologia da época.

 “Pertence e eu assumimos um compromisso: afastar a mão humana da apuração”.

“Foi necessário fazer “como que uma cruzada” pelo país para mostrar que seria possível informatizar o voto.
“Havia uma descrença muito grande, inclusive entre colegas”, destaca. O projeto começou a ser desenvolvido por um “grupo de notáveis”, formado por desembargadores, juristas e funcionários da Justiça Eleitoral para definir como deveria ser feita a coleta automática de votos.”
Declarações do então presidente do TSE, ministro Carlos Veloso

Palavras bonitas, mas o juizão se esqueceu o trabalho homérico que foi processar os poucos votos da eleição anterior (teste) num computador IBM com o processador “jurássico” Intel 386.

Era preciso que a máquina fosse simples, de fácil interação com o eleitor e totalmente fechada, impedindo o acesso às suas memórias internas, algo que o computador da época não oferecia. 

Apesar de tudo isso…
A partir de 1995, a urna eletrônica que conhecemos atualmente começou a ganhar forma. O objetivo dos técnicos da Justiça Eleitoral era tornar o processo mais seguro, ágil e cada vez mais independente da intervenção humana. O projeto para a informatização do voto foi apresentado pelo Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) naquele ano.

Técnicos do TSE afirmam que “computadores não são seguros”, mas ministros decidem colocar o projeto à frente assim mesmo.

O atual secretário de Tecnologia da Informação do TSE, Giuseppe Janino, lembra que, antes de 1996, testes eram feitos com o personal computer (PC) por tribunais regionais com o objetivo de informatizar a coleta de votos. “

Entendeu-se que o computador não seria um mecanismo seguro o suficiente para ser adotado no âmbito que se propunha, que seria [a votação eletrônica] em todo o país.”

Janino explica que o objetivo passou a ser a construção de um equipamento baseado em computador, com tela, teclado e CPU num mesmo bloco, e com vários requisitos de segurança já implementados. “Não existia na época um equipamento desse tipo”, recorda.

A “engenhoca” do TSE.
Modelo: UE1996
Fabricante: Unisys
Foram Produzidas 70 mil unidades
Sistema Operacional:  VirtuOS
Direcionadas para municípios acima de 200 mil eleitores.
Doadas 20 mil ao Paraguai em 2006 e o restante foi descartado em 2008.

Possuía uma impressora destinada ao registro do voto, que era depositado diretamente em uma urna de plástico acoplada à máquina.
Na tela, apareciam apenas as fotos dos candidatos aos cargos majoritários.

32 milhões de eleitores votaram nas urnas eletrônicas, hoje parece pouco, mas na época era 1/3 do eleitorado.

Já nas eleições de 1998, a votação eletrônica ocorreu em 537 municípios brasileiros com mais de 40 mil eleitores, alcançando 75% do eleitorado de então. FOI NESSE ANO QUE RETIRARAM IMPRESSORA DE VOTOS EM PAPEL.

“Recontar votos como nas eleições anteriores era demorado e dispendioso e as vezes mudava o resultado do pleito. Além disso, a demora na divulgação dos resultados de uma eleição p´residencial pode gerar prejuízos intangíveis, decorrentes de desaquecimento de atividades econômicas”.
Paulo César Camarão, assessor especial de informática do TSE.

1996
2000: Eleições Municipais.

1ª eleição 100% eletrônica: COM VOTO IMPRESSO.

Nas eleições de 2000, 100% dos eleitores votaram por meio da urna eletrônica. Terminava ali a era do voto por cédulas de papel.

Impressora de votos.
Todas as urnas tinha impressora de votos, estes caíam em uma caixa lacrada que ia direto para os TREs e alí ficavam pra caso houvesse necessidade de recontagem de votos.

Por que tinha impressora?
No ano anterior (1999), o projeto Voto Impresso (PLS 194/99) do senador Alberto Requião foi aprovado no senado, mas o presidente do TSE, Nelson Jobim, alegou que tal impressora causaria inviolabilidade do voto se o eleitor saísse da seção eleitoral com seu voto na mão, nisso todos concordamos pois bastaria o eleitor entregar o pael e receber o dinheiro.
O Senador mandou novamente o projeto para a CCJ do senado, presidida pelo senador Romeu Tuma para mudar o art. que permitia a posse do voto. Mudança feita, o projeto foi aprovado nas duas casas, após vários adiamentos, e a lei foi sancionada pelo presidente Fernando Henrique Cardoso em 2002.

Tiravam a confiabilidade e privacidade do voto como alegaram os ministros do STF?
Reflita. Responda nos comentários.

Porque anos mais tarde (2020) o STF julgou inconstitucional o voto impresso: “em seu voto, confirmado depois pelo plenário, o relator, ministro Gilmar Mendes explica que “o modelo híbrido de votação adotado pelo artigo 59-A da Lei 9.504/97 não mantém a segurança conquistada, trazendo riscos ao sigilo do voto e representando verdadeira ameaça à livre escolha do eleitor, em virtude da potencialidade de identificação”.

Nasce na Flórida – EUA a Smartmatic

O incidente das cédulas perfuradas (‘hanging chads’) na Florida inspira a Smartmatic para iniciar suas pesquisas em tecnologia eleitoral.
TODOS OS PRINCIPAIS DIRETORES E SÃO DE ORIGENS VENEZUELANA, incluindo o presidente da cia.
A Flórida é o refúgio de venezuelanos e cubanos que fogem do socialismo de seus país pelo mar. Em muitos casos ele saem do socialismo mas o socialismo não sai deles, como é o caso dos rappers’ latinos que enriqueceram no Estado. Não acredito que seja o caso dos donos da Smartmatic pois sãoEMPRESÁRIOS, não artistas. Artista conservadores só exitem na Ucrânia e Japão.

“Na capital da Flórida 36,3% dos moradores são cubanos, enquanto outros latinos representam 31,8% e não-hispânicos são minoria: 31,9%.
Quem quiser ganhar na Florida, portanto, precisa do apoio dos cubanos de Miami. A maioria dos cubanos e latinos em geral repudiam o socialismo, são conservadores, o que explica as sucessivas vitórias dos republicanos no estado da Flórida.”. Fonte: BBC Internacional

Leia também: cubanos de Miami fazem abaixo assinado contra a o Filme de Wagner Moura que tenta passar uma boa impressão dos espiões de Fidel. Reportagem da Veja.

2000
2002

Smartmatic entra no setor bancário.

Criam o sistema Smartnet, para aumentar a segurança de clientes chave no setor bancário mexicano.

No mesmo ano registram 20 patentes nos EUA para todo tipo de serviço de segurança digital.

A aranha ganha pernas e as estica.

Explodem as denúncias de mal funcionamento das urnas.

A segurança do sistema de votação eletrônica foi colocada em dúvida.
No Piauí, o promotor eleitoral de Beneditinos, Cláudio Bastos Lopes, pediu que fosse feito um teste para detectar falhas graves nas urnas.

No Rio de Janeiro, ficou constatado que o programa responsável pela conferência da integridade dos demais programas e dados (o ‘vaudit.exe’) estava com defeito e não apresentava a tabela completa dos candidatos a deputado estadual.

“Na ocasião o PDT impugnou todos os programas – e especialmente o ‘vaudit.exe’ – por não haver possibilidade técnica no prazo de cinco dias determinado pelo TSE – de conferir a integridade dos programas que rodam na urna eletrônica”, disse o engenheiro Amílcar Brunazo Filho, contratado pelo PDT para acompanhar a inseminação de dados nas urnas eletrônicas.

De acordo com o engenheiro, o programa ‘vaudit.exe’ mostra a tabela de candidatos a deputado estadual de apenas dois de mais de 15 partidos que estão disputando a eleição.

Em todas as cidades do país houveram queixas, mas o TSE negou que existisse falhas. E fim. Afinal, “quem vigia o vigilante”, né?


Fonte: Conjur

2002 Eleições
2002

Sancionada a lei do voto impresso

Lei n.º 10.408 de 10/01/2002.
Presidente: Fernando Henrique Cardoso.

Dominion Voting Sistems

A empresa é fundada no Canadá, o país mais progressista das Américas, o Canadá. .empresa emitiu nota dizendo-se orgulhosa de ter participado da votação que liberou a produção e venda de maconha no Canadá (que já permitia a posse de até 30 gramas desde 1976) e na Califórnia.
Fonte: BBC Internacional.

A empresa forneceu suas urnas para um pleito nos EUA em 2016. Houve denúncias de fraude mas o maior problema foi com a ação da Smartmatic.
“Segundo um estudo da Wharton School, da Universidade da Pensilvânia, a tecnologia da empresa foi usada por mais de 71 milhões de eleitores americanos nas eleições de 2016, em 1.635 localidades, o que a converte no segundo maior provedor do país – atrás da Election Systems & Software – no mercado de tecnologia de votação americano.”
Bastaram alguns meses de investigação para descobrir suas ligações com famílias de democratas poderosos como os Clintons e Nanci Peloisi.

2003
Todos os estados que votaram com as urnas eletrônicas da canadense Dominum
Joe Biden vence Trump e será novo presidente dos EUA | Mundo | Valor  Econômico
Apenas em 6 dos 28 estados em que a Dominum atua, não foram vencidos pelos democratas. mas deve ser só uma coincidência. E nos 6 a vitória de Trump foi apertada, mesmo sendo estados notoriamente conservadores republicans, como por exemplo em Utah, que têm 99% da população mórmon (totalmente conservadores).

O recorde mundial de denúncias de fraude na história.

Foi a façanha obtida pela em presa canadense em 2020. Destaque para as eleições nos EUA.

“O software usado na votação é o Dominion Voting Systems, que ganhou fama por ser o alvo da possível “fraude”. A empresa tem histórico associado com a fundação Obama, a Fundação Clinton e também com a presidente da Câmara dos Deputados, Nanci Pelosi.”

Reportagem da Epoch Times.

A Smartmatic laça sua urna eletrônica com impressora.
Nome:Pplataforma de Automatização, NEA.
Até hoje é utilizada na Venezuela e demais países que utilizam suas tecnologias de votação. Exceto no Brasil, claro. porque aqui “não precisa”.

A partir de 2008, a Justiça Eleitoral começou a implantar o cadastramento biométrico dos eleitores, que identifica quem vota pelas digitais. 

Leia essas reportagens aqui.

A Imprensa brasileira correu pra negar tudo.

Apesar de o próprio presidente da Smartmatic afirmar que houve fraude na Venezuela, mas que será impossível saber sem poder auditar as urnas. A importância de poder auditar aí de novo.

Reportagem original aqui.

Postagem sendo concluída. Completa daqui a pouco. Visite-nos mais tarde

Apesar do voto impresso ter sido votado numa ADIN, o grupo Globo, pra desmentir presidente Jair Bolsonaro, dizia que era “FAKE”, e convenceu muita gente. Todos os votos estão disponíveis NESSE DOCUMENTO.
Se você não tiver tempo pra ir nos dois links pra ver, tá aí a prova de que a Globo mentiu descaradamente mais uma vez.

O que diz o tal artigo 59?

O PROCESSO TEM QUE SER TRANSPARENTE. É isso o que diz. Veja aí você mesmo (a):

Leia a lei na íntegra no site do Palácio do Planalto.


Fontes:

Smartmaic Nossa História: site oficial da Smartmatic

Smartmatic x Dominum: briga judicial por jogo sujo da empresa canadense.

Biblioteca Digital da Justiça Federal: Dados Técnicos >Urna eletrônica Ano 1996.

Gazeta Gaúcha: história do nosso voto.

TRE Bahia: a História do voto eletrônico no Brasil

STF: VOTO IMPRESSO NÃO É CONFIÁVEL!

Conjur.com.br: Declarações do engenheiro chefe e Paulo César Camarão, assessor especial de informática do TSE sobre a demora ser mais grave pro mercado que a suspeita de fraude.

Lei do voto impresso de 2002.

Gazeta do Povo: Voto Impresso. Problemas e soluções – ano 2002

5 e-books, 400 págs.

Saiba tudo sobre Vinhos

Quer falar sobre vinhos como um especialista?

De R$ 49,90 por R$ 4,90

Cupom expira em 01/02/2020:

Dias
Horas
Minutos
Segundos
A promoção acabou. Aguarde a próxima.
Shape
Shape

Gostou dessa postagem?

Explore as anteriores.

Não esqueça de deixar sua crítica, sugestão ou dúvida nos comentários. AJUDE O BLOG TORNANDO-SE MEMBRO OU CLICANDO EM UM ANÚNCIO.

12 respostas

    1. É sim. É tendência mundial entre o pessoal que quer melhorar o mundo derrubando o que já está pronto pra construir outro no lugar. Se você achou nojento, você é normal como eu. Como a maioria.

  1. Sem álcool em gel já estaríamos todos mortos, mas parece que algumas pessoas não entendem como é importante ouvir os especialistas.

  2. Para o brandy ser considerado Cognac, necess rio que as uvas tenham sido cultivadas, fermentadas e destiladas na Fran a, mais especificamente na regi o de Charente, ao norte de Bordeaux. l que est localizada a cidade de Cognac, que deu nome bebida.

    1. Não. Errado.
      O Conhaque originou-se na região de Cognac, próxima a costa leste, quando marinheiros franceses, precisando de espaço nos porões dos navios, resolveram destilar o vinho popular produzido ali. Do acondicionamento dessa bebida destilada em barricas de carvalho, surgiu a cor dourada, hoje típica do conhaque. A região não fica em Bordeaux, fica longe, bem ao norte do outro lado do Garona (Garonne).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »
error: Quer uma cópia do artigo? Me peça via WhatsApp. É grátis!