fbpx

Mais uma postagem politicamente incorreta pra pra você.

Opinião sobre como a imprensa brasileira age diferente quando o caso de racismo é aqui, na Argentina e Uruguai. Por que dois pesos e duas medidas? Qual é a forma mais eficiente de combater o racismo?

“Cala a boca, negro!”

Conteúdo protegido. Quer uma cópia? Comente, compartilhe e me chame no WhatsApp.

O que você imaginar, personalizamos pra você.

Surpreenda no presente de casamento, bodas, aniversários. Clique na imagem e saiba mais no site do fabricante.

Passada de pano, hipocrisia e oportunismo ideológico.


“Cala a boca, negro!”

A frase do Índio Ramirez, jogador do Bahia. Claramente querendo dizer: cala a boca porque você é inferior.

Oportunismo ideológico.

“Na Bulgária, torcedores e jogadores de extrema direita cometeram racismo contra jogadores da Inglaterra e cometem até hoje.”

Mauro Cezar no programa Linha de Passe da ESPN (assista o vídeo a partir de 30:30).

Fala do Mauro Cézar em 30:30s.

Não, Mauro. Racismo não depende de posicionamento político, depende de como o cidadão foi formado. Mas Mauro é como aqueles amigos do grupo do WhatsApp que não aceitam que publiquem sobre política, mas hipocritamente postam “bozzonaro” e não perdem uma oportunidade de relacionar um ato que considera ruim ao presidente. Não aceitam o debate, só não admitem. Censurar é mais fácil e eficaz. É exatamente o que o jornalista faz com os comentários pró Bolsonaro nos chats de seus vídeos: “aqui não é pra discutir política, só futebol”.

O Google mostra que ele é só mais um censurador de esquerda que não admite ser contestado pelas coisas que fala do Presidente:


Hipocrisia do Bahia.

O clube baiano é o mais progressista do país, campanhas a favor de direitos LGBTs e contra o racismo colocam o clube baiano no topo da lista de clubes de esquerda no país, mas na hora em que o racismo acontece dentro do próprio elenco, o clube não pune o jogador. Veja a nota oficial do clube. Qualquer entidade que leva o combate ao racismo realmente a sério teria demitido o jogador, mas só demitiram o técnico (que já estava pra cair) pra apaziguar as coisas.

O Esporte Clube Bahia vem a público se manifestar sobre a denúncia de racismo feita pelo atleta Gerson, do Flamengo, ocorrida na noite deste domingo (20).

O atleta Indio Ramírez nega veementemente a acusação e a ele está sendo dada a oportunidade de se defender de algo tão grave.

O clube entende, porém, que é indispensável, imprescindível e fundamental que a voz da vítima seja preponderante em casos desta natureza.

Assim, decidiu afastar imediatamente o jogador das atividades da equipe até a conclusão da apuração.“”

Presidente Guilherme Bellintani
GGB outorga Prêmio de 'Honra ao Mérito da Diversidade Cultural LGBT' na  Parada da Bahia | GRUPO GAY DA BAHIA - GGB
Imagem: GGB- Grupo Gay da Bahia
Bahia honra sangue negro e assume ponta contra elitização do futebol |  Hypeness – Inovação e criatividade para todos.
Imagem: Hypennes

Mano Menezes demitido.

A demissão, não se engane, foi por causa do péssimo desempenho da equipe.

É a segunda vez que ele é demitido pelo Flamengo. Lembra de sua demissão após a derrota do Palmeiras pelo Flamengo?

Isso explica o seu comportamento sempre que joga contra o Flamengo.

Imagem: site UOL Esportes

Mano é um técnico decadente. A sua demissão se limitou a esse fato. O que ele falou depois do ato racista, passando pano pro seu jogador só expõe o escroque que é: “Ele é só um menino!”

A palavra de Gérson.

Gerson recebeu apoio de Paulão, jogador do Fortaleza que já passou por um momento igualmente doloroso e revoltante.

A imprensa brasileira passa pano para o racismo argentino e uruguayo.

Busque no Google alguma reportagem sobre ato racista cometido por uruguayos ou argentinos e plim! Não vai encontrar nenhum.

Agora pergunte-se e reflita:

A Argentina e Uruguai são os únicos países que não assimilaram seus negros no futebol, mas porque a imprensa brasileira se cala sobre isso?

Por que você nunca viu um jogador negro nessas duas seleções?

Por que a imprensa brasileira nunca falou do assunto?

Por que no Brasil, mesmo miscigenado, a imprensa quer te convencer de que existe “racismo estrutural”? E por que durante os governos anteriores esse termo nunca foi usado?

Será que tem a ver com ela apoiar os seguidos governos de esquerda daqueles países e são contra o atual governo?

Imagem: Google

O último jogador negro a jogar numa seleção uruguaia. Enaltecem o fato em vez de criticará-lo

Existe racismo estrutural no Brasil ou o que há é hipocrisia estrutural e generalizada?


Minha opinião.

Ao contrário do que Mauro Cézar e seus pares pensam (e dizem), a direita não admite nem defende o racismo. Nesse ponto somos iguais à esquerda. O que nos difere é como queremos resolver o problema: enquanto a esquerda acredita que têm que se envolver com ONGs, grupos, partidos, etc., para combater o racismo, a direita sabe que isso depende da transformação do indivíduo, ou seja, a forma mais eficiente é combatendo nossos defeitos e imperfeições com religiosidade, evolução espiritual e RESPEITO AOS NOSSOS PAIS.

Explicando melhor: a esquerda acredita que só há força no coletivo E NO ESTADO, que o indivíduo nada pode fazer sozinho e que a mudança tem que acontecer com leis novas para problemas antigos. O Estado como agente de transformação, por isso defendem um Estado mais forte, onipresente, onipotente, onisciente. Abrem mão de suas liberdades em prol do Estado, pois esse vai cuidar de todos os nossos problemas.

Pra esquerda os problemas só são solucionados com cotas raciais, de gênero, leis contra racismo, etc.,.

A direita não apóia essas leis porque acredita que as mudanças acontecem de dentro pra fora, que mudando o indivíduo você muda a sociedade.

Uma sociedade melhor se faz com indivíduos melhores. Por isso a direita valoriza o poder de transformação das religiões e na manutenção dos valores familiares, pois são os pais os principais responsáveis pela formação moral e comportamental do indivíduo. Filhos melhores serão cidadãos melhores. Isso explica porque somos contra a lei da palmada. Parece cruel mas pensamos que é melhor nós corrigirmos que o Estado ou as ruas corrigirem nossos filhos.

Pra mim o racismo sempre vai existir, infelizmente, mas só dar atenção ao racismo contra o negro e ignorar totalmente o racismo do negro contra o branco, de brancos contra amarelos, de amarelos contra negros, que o racismo não começou com as grandes navegações, etc., é só oportunismo político com a finalidade de dividir os brasileiros e lucrar com votos fidelizados pelos que caem nessa militância cega e burra.

Digo isso porque fui militante do movimento negro petista. Sei bem do que estou falando. Todas essas militâncias servem pra fidelizar votos para as urnas. Não transformam sociedades, só as dividem. As pioram.

Deixe sua opinião nos comentários.

5 e-books, 400 págs.

Saiba tudo sobre Vinhos

Quer falar sobre vinhos como um especialista?

De R$ 49,90 por R$ 4,90

Cupom expira em 01/02/2020:

Dias
Horas
Minutos
Segundos
A promoção acabou. Aguarde a próxima.
Shape
Shape

Gostou dessa postagem?

Explore as anteriores.

Não esqueça de deixar sua crítica, sugestão ou dúvida nos comentários. AJUDE O BLOG TORNANDO-SE MEMBRO OU CLICANDO EM UM ANÚNCIO.

12 respostas

    1. É sim. É tendência mundial entre o pessoal que quer melhorar o mundo derrubando o que já está pronto pra construir outro no lugar. Se você achou nojento, você é normal como eu. Como a maioria.

  1. Sem álcool em gel já estaríamos todos mortos, mas parece que algumas pessoas não entendem como é importante ouvir os especialistas.

  2. Para o brandy ser considerado Cognac, necess rio que as uvas tenham sido cultivadas, fermentadas e destiladas na Fran a, mais especificamente na regi o de Charente, ao norte de Bordeaux. l que est localizada a cidade de Cognac, que deu nome bebida.

    1. Não. Errado.
      O Conhaque originou-se na região de Cognac, próxima a costa leste, quando marinheiros franceses, precisando de espaço nos porões dos navios, resolveram destilar o vinho popular produzido ali. Do acondicionamento dessa bebida destilada em barricas de carvalho, surgiu a cor dourada, hoje típica do conhaque. A região não fica em Bordeaux, fica longe, bem ao norte do outro lado do Garona (Garonne).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »
error: Quer uma cópia do artigo? Me peça via WhatsApp. É grátis!