fbpx

Mais uma postagem politicamente incorreta pra pra você.

Consumo de bebidas alcoólicas vs COVID-19.

álcool-e-covid-19, o-que-você-precisa-saber

Conteúdo protegido. Quer uma cópia? Comente, compartilhe e me chame no WhatsApp.

O que você imaginar, personalizamos pra você.

Surpreenda no presente de casamento, bodas, aniversários. Clique na imagem e saiba mais no site do fabricante.

DE LEIGO A ESPECIALISTA
5 e-books com 80% de desconto.
De R$49,90 por R$ 9,98

Guia do Comprador de Vinhos
2 e-books com 40% de desc. 
De R$129,90
R$ 89,00 
parcelado em 3x sem juros.

CRÔNICAS da CLOROQUINA.
R$ 5,99

Leia grátis em seu kindle.

Pontuação dos Vinhos
R$ 5,99

Leia grátis em seu kindle.

O PODER DO HÁBITO
Frete grátis pra todo o Brasil.
De R$ 64,90 
R$ 44,90 
ou R$ 31,90 (usado)

O QUE VOCÊ PRECISA SABER PRA NÃO MORRER.

Informações gerais sobre o álcool e o seu organismo.


O álcool etílico (etanol) é a substância presente nas bebidas alcoólicas responsável pela maior parte dos danos resultantes do seu consumo, independentemente de ser consumido na forma de vinho, cerveja, destilados ou qualquer outra bebida.
Infelizmente, outras substâncias tóxicas que podem ter o cheiro parecido com o do etanol podem ser adicionadas a bebidas adulteradas produzidas de maneira informal ou ilegal; elas também podem estar presentes em produtos alcoólicos que não se destinam ao consumo humano, como os desinfetantes de mãos. Substâncias adicionadas, como o metanol, podem ser fatais mesmo em pequenas quantidades, ou podem causar cegueira e doença renal, entre outros problemas. Segundo notícias e relatos, já houve mortes relacionadas com a ingestão desses produtos alcoólicos em alguns países durante o surto de COVID-19, com base na crença equivocada de que eles, de alguma forma, oferecem proteção contra o vírus.

Essas são as informações gerais que você deve saber sobre o consumo de álcool e
a saúde:
O álcool afeta, tanto a curto como a longo prazo, quase todos os órgãos do corpo.
De modo geral, as evidências indicam que não existe um “limite seguro”. De
fato, o risco de danos à saúde aumenta com cada unidade de álcool consumida.
O uso do álcool, sobretudo o uso excessivo, debilita o sistema imunológico e, assim,
reduz a capacidade de enfrentar doenças infecciosas.
Sabe-se que o álcool, mesmo em quantidades muito pequenas, causa certos tipos
de câncer.
Mesmo em quantidades pequenas, o álcool é um risco para o feto em qualquer etapa
da gravidez.

O álcool aumenta o risco, a frequência e a gravidade da vitimização e/ou prática
de violência interpessoal, como a violência por parceiro íntimo, a violência sexual,
a violência juvenil, os maus-tratos contra idosos e a violência contra crianças.
O álcool aumenta o risco de morte e lesão causados por acidentes de trânsito,
afogamento e quedas.
O uso excessivo de álcool aumenta o risco da síndrome do desconforto
respiratório agudo (SDRA), uma das complicações mais graves da COVID-19.

Mitos gerais sobre o álcool e a COVID-19.


O consumo de álcool destrói o vírus que causa a COVID-19.
O consumo de álcool não destrói o vírus que causa a COVID-19 e provavelmente aumenta os riscos para a saúde se a pessoa contrair o vírus. O álcool
(a uma concentração de pelo menos 60% por volume) funciona como um
desinfetante para a pele, mas não tem esse efeito dentro do seu organismo
quando ingerido.
Beber uma bebida alcoólica forte mata o vírus no ar inalado.
O consumo de álcool não mata o vírus no ar inalado, não desinfeta a sua
boca e garganta nem oferece nenhum tipo de proteção contra a COVID-19.
O álcool (cerveja, vinho, destilados ou licores de ervas) estimula a imunidade
e a resistência ao vírus.
O álcool tem um efeito nocivo sobre o sistema imunológico e não estimula
a imunidade nem a resistência ao vírus.

Álcool: o que fazer, e o que não fazer, durante a pandemia de COVID-19.


Evite totalmente o álcool para que você não prejudique o seu próprio sistema
imunológico e a sua saúde nem ponha em risco a saúde dos outros.
Fique sóbrio para que possa se manter alerta, agir rapidamente e pensar com clareza
antes de tomar decisões, para você e para as outras pessoas da sua família e da
comunidade.
Se beber, consuma o mínimo possível de álcool e evite ficar embriagado.
Evite usar o álcool como um gatilho para fumar, e vice-versa: as pessoas tendem a
fumar, ou fumar mais, quando bebem, e o tabagismo está associado a uma evolução
mais complicada e perigosa da COVID-19. Lembre-se também de que fumar em
ambientes fechados é prejudicial às outras pessoas da sua casa e deve ser evitado.
Tenha cuidado para que as crianças e os jovens não tenham acesso ao álcool e evite
que elas o vejam bebendo; seja um bom exemplo.
Discuta com as crianças e os jovens os problemas associados ao consumo de álcool
e à COVID-19, como violações de quarentena e distanciamento físico, que podem
agravar a pandemia.
Controle o tempo de tela dos seus filhos (incluída a televisão), pois essas mídias
estão cheias de propagandas e anúncios sobre bebidas alcoólicas. Além disso,
espalham desinformação nociva que pode estimular um início precoce e um maior
consumo de álcool.

Nunca misture o álcool com medicamentos, mesmo os fitoterápicos ou de venda livre.

Porque isso pode torná-los menos eficazes ou elevar a sua potência a um nível no qual se tornam tóxicos e perigosos.

Não consuma álcool se tomar qualquer medicamento que atue no sistema nervoso
central (tais como analgésicos, comprimidos para dormir, antidepressivos, etc.),
já que o álcool pode interferir na função hepática e causar insuficiência hepática ou
outros problemas sérios.


O álcool e o distanciamento físico durante a pandemia de COVID-19.

Para desacelerar a propagação do vírus, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda
o distanciamento físico como medida de proteção. Bares, boates, cassinos, restaurantes e
outros lugares onde as pessoas se reúnem para consumir álcool (até mesmo a própria casa)
aumentam o risco de transmissão do vírus.

Como resultado, o distanciamento físico reduz a disponibilidade de álcool e, portanto,
representa uma ótima oportunidade para reduzir o consumo de álcool e melhorar a saúde.
O álcool e o isolamento domiciliar ou quarentena.

Para conter a propagação da COVID-19, diversos países adotaram gradativamente
confinamentos de comunidades inteiras, os chamados lockdowns, e períodos obrigatórios
de quarentena para pessoas sob suspeita de terem contraído o vírus ou que tiveram contato
com alguém infectado pelo vírus. Isto significa que agora há um número sem precedentes
de pessoas sem sair de casa.


É importante entender que o álcool apresenta riscos para a saúde e segurança e, por isso,
deve ser evitado durante os períodos de isolamento domiciliar ou quarentena.
Quando trabalhar em casa, siga as regras normais do seu local de trabalho e não
beba. Lembre-se de que após, o intervalo do almoço, você deve continuar em
condições de trabalhar — e isso não é possível se você estiver alcoolizado.


O álcool não é uma parte necessária da sua dieta nem deve ser uma prioridade na
sua lista de compras. Evite estocar bebidas alcoólicas em casa, porque isso pode
aumentar o seu consumo de álcool e o consumo por outras pessoas da casa.
É melhor investir tempo, dinheiro e outros recursos na compra de alimentos saudáveis e nutritivos que manterão a boa saúde e melhorarão a resposta do seu sistema
imunológico. 

Talvez você ache que as bebidas alcoólicas ajudam a lidar com o estresse, mas, na
realidade, essa não é uma boa estratégia de enfrentamento, pois se sabe que o
álcool aumenta os sintomas dos transtornos de pânico e ansiedade, da depressão e
de outros transtornos mentais, bem como o risco de violência familiar e doméstica.

Em vez de consumir bebidas alcoólicas para passar o tempo confinado, experimente
fazer exercícios em casa mesmo. A atividade física fortalece o sistema imunológico
e, de modo geral, tanto a curto quanto a longo prazo, é uma maneira altamente
benéfica de passar um período de quarentena. 

Não apresente bebidas alcoólicas aos seus filhos ou a outros jovens nem se
embriague na presença deles. 

Os maus-tratos e a negligência de menores podem
ser agravados pelo consumo de álcool, sobretudo nos casos de moradias superlotadas nas quais não é possível se isolar de quem está bebendo.

O álcool desinfetante pode facilmente se tornar acessível para o consumo durante
o isolamento domiciliar. Por isso, é importante manter esse tipo de produto fora do
alcance de crianças e menores de idade e de outros que possam fazer mau uso do
produto.


O consumo de álcool pode aumentar durante o auto-isolamento e ambos, ficar isolado
e beber, também podem aumentar o risco de suicídio. Portanto, é muito importante
reduzir o consumo de álcool. Se você tiver pensamentos suicidas, ligue para uma
linha de atendimento de saúde local ou nacional.


O álcool está intimamente associado à violência, inclusive à violência por parceiro
íntimo. Os homens são responsáveis pela maioria dos casos de violência contra a
mulher, o que piora com o consumo de álcool, e é provável que as mulheres que
sofrem violência passem a consumir mais álcool como um mecanismo de enfrentamento. Se você for vítima de violência e estiver em confinamento com o agressor
durante o isolamento domiciliar, precisa ter um plano de segurança caso a situação
piore. Tenha um vizinho, amigo, parente ou abrigo para procurar caso precise sair de
casa imediatamente. Tente entrar em contato com membros da família e/ou amigos
solidários e busque ajuda de uma linha de atendimento ou serviços locais para
sobreviventes. Se você estiver em quarentena e precisar sair de casa imediatamente,
ligue para uma linha de atendimento local e entre em contato com alguém de
confiança.


Os transtornos de uso de álcool e a pandemia de COVID-19.

Os transtornos de uso de álcool se caracterizam pelo uso excessivo de álcool e pela perda
de controle sobre a ingestão de álcool. Embora estejam entre os transtornos mentais mais
prevalentes em escala mundial, também estão entre os mais estigmatizados.
Pessoas com um transtorno de uso de álcool têm um maior risco de contrair a COVID-19, não apenas devido ao impacto do álcool na sua saúde mas também porque têm maior probabilidade de entrar em situação de rua ou serem encarceradas do que outros membros da população. Portanto, nas condições atuais, é essencial que as pessoas que precisam de ajuda devido ao uso de álcool obtenham todo o apoio de que necessitam.

Se você ou uma pessoa próxima a você tiver problemas relacionados ao uso de álcool,
pense no seguinte:
A situação atual é uma oportunidade única para deixar de beber ou, pelo menos,
reduzir consideravelmente o consumo de álcool, pois diversos gatilhos e situações
de pressão do grupo, como festas, reuniões de amigos, restaurantes e clubes, são
(por necessidade) evitáveis.

Fonte: G1.

5 e-books, 400 págs.

Saiba tudo sobre Vinhos

Quer falar sobre vinhos como um especialista?

De R$ 49,90 por R$ 4,90

Cupom expira em 01/02/2020:

Dias
Horas
Minutos
Segundos
A promoção acabou. Aguarde a próxima.
Shape
Shape

Gostou dessa postagem?

Explore as anteriores.

Não esqueça de deixar sua crítica, sugestão ou dúvida nos comentários. AJUDE O BLOG TORNANDO-SE MEMBRO OU CLICANDO EM UM ANÚNCIO.

12 respostas

    1. É sim. É tendência mundial entre o pessoal que quer melhorar o mundo derrubando o que já está pronto pra construir outro no lugar. Se você achou nojento, você é normal como eu. Como a maioria.

  1. Sem álcool em gel já estaríamos todos mortos, mas parece que algumas pessoas não entendem como é importante ouvir os especialistas.

  2. Para o brandy ser considerado Cognac, necess rio que as uvas tenham sido cultivadas, fermentadas e destiladas na Fran a, mais especificamente na regi o de Charente, ao norte de Bordeaux. l que est localizada a cidade de Cognac, que deu nome bebida.

    1. Não. Errado.
      O Conhaque originou-se na região de Cognac, próxima a costa leste, quando marinheiros franceses, precisando de espaço nos porões dos navios, resolveram destilar o vinho popular produzido ali. Do acondicionamento dessa bebida destilada em barricas de carvalho, surgiu a cor dourada, hoje típica do conhaque. A região não fica em Bordeaux, fica longe, bem ao norte do outro lado do Garona (Garonne).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »
error: Quer uma cópia do artigo? Me peça via WhatsApp. É grátis!