fbpx

Mais uma postagem politicamente incorreta pra pra você.

Explicando tudo sobre o Liber Pater: o nome. o terroir, o tipo de vinha, o método de vinificação, a história da vinícola.

Desmistificando o vinho mais caro do mundo

Conteúdo protegido. Quer uma cópia? Comente, compartilhe e me chame no WhatsApp.

O que você imaginar, personalizamos pra você.

Surpreenda no presente de casamento, bodas, aniversários. Clique na imagem e saiba mais no site do fabricante.

O Liber Pater safra 2015 chegou ao mercado em 2009 custando € 30 mil a garrafa, desbancando o então mais caro do mundo, o Rommaneé Conti, que custa € 23 mil cada.

Hoje você vai entender porque ele custa tão caro e avaliar se vale o preço.

Liber Pater – por que esse nome?

Imagem: moeda romana pré império romano.

Liber Pater significa Pai da Liberdade em latim. Ele é o deus italiano da viticultura, fertilidade e liberdade, foi substituído por Baco após a ascensão do Império Romano. Baco é o nome italiano do deus grego Dionísio.

A escolha do nome não é apenas uma homenagem francesa às raízes culturais italianas, a vinícola quis dizer algo mais: voltamos à origem da vinificação. Você vai entender em seguida.

Imagens em ordem de apresentação:

Escultura de Baco, por MichelangeloMuseu Nacional do BargelloFlorença;


Baco e Ariadne, por Agostino Carracci, século XVI;


Bacopor Caravaggio, na Galleria degli UffiziFlorença;


Baco, por Leonardo da Vinci, no Museu do Louvre


Quem está por trás do Liber Pater?

Quem produz o vinho é Loic Pasquet , natural de Poitiers, uma pequena cidade e antiga capital da velha Aquitânia no centro-oeste da França entre Paris e Bordeaux, é engenheiro mecânico e químico de profissão, que antes de montar a vinícola trabalhava para a montadora Peugeot.

 Em 2005, ele adquiriu sete hectares de vinhedos na região de Graves para criar o seu “Liber Pater”. No ano seguinte, já estava produzindo algumas garrafas. 

Pasquet que estudou em La Rochelle no norte de Bordéus e na Universidade de Dijon na Borgonha, sem formal educação em vinho. Ele é apaixonado por vinho desde os 13 anos.


“Os meus vinhos são exatamente como um vinho de Graves na época da Classificação de Bordeaux de 1855”

— Luïc Pasquet



A história do Liber Pater.

2005

A compra do terroir

Liber Pater foi fundada em 2005 … em Graves, uma sub-região de Bordéus e 
situada na margem esquerda do rio Garonne.
Loïc Pasquet comprou 8 ha de vinhedos abandonados em uma pequena área que havia escapado à filoxera.
Estes vinhedos abandonados já tinham vinhas de Cabernet Sauvignon e Merlot com mais de 40 anos de idade, além de Sémillon, com 80 anos.

Depois de um certo tempo procurando em diferentes regiões pelo “Terroir” ideal e o que sua carteira (na época) podia pagar, sua busca o levou até a vila de Landiras, uma pequena vila da região de Graves, cerca de 40 quilômetros a sudeste de Bordéus e menos de 9 quilômetros a noroeste de Sauternes. Em 2005, cerca de 5 quilômetros a noroeste de Landiras (ver mapa acima), ele encontrou e comprou o que parecia ser um lote abandonado de vinhas velhas plantadas em solo arenoso e de cascalho, no topo de um pequeno monte a cerca de 80 metros acima do nível do mar, que se tornou Liber Pater.

A 1ª safra

A primeira safra foi a 2006. O vinho foi lançado no mercado custando € 4 mil. Hoje custa entre € 11 e € 12 mil .

O mercado adorou o vinho mais Pasquet não. Avaliou que suas vinhas recém plantadas precisavam de mais anos de vida para produzirem vinhos mais próximos do ideal.

A vinícola terminou a elaboração da safra 2007, mas não fez vinho na safra seguinte: 2008.

2006
2008

Não tem vinho

Após avaliar que não se tratava de uma safra a altura de seu projeto, Pasquet resolveu não produzir vinhos.

Tem vinho

A terceira safra é lançada ao mercado.

2009
2010 e 2011

Tem vinho

A quarta safra é lançada e o preço da garrafa já chega a € 6 mil.

Nessas safras a vinícola chegou ao seu auge de produção, mantido até hoje:
Nos melhores anos, são produzidas cerca de 300 garrafas de vinho branco Liber Pater e cerca de 1000 garrafas de tinto.

Não tem vinho mas tem euros pro marketing

A safra foi comum demais. Como em 2008, todas as outras vinícolas de Bordeaux lançaram seus vinhos, menos a Liber Pater.

Em 2012, Pasquet conseguiu receber subsídios no valor de € 600 mil para a promoção de vinhos fora da União Europeia, em particular na China. Fundos fornecidos pela organização francesa FranceAgrimer. Mas os promotores de Bordeaux o acusaram de criar um esquema fraudulento com um parceiro chinês e enganar deliberadamente a FranceAgrimer.

Fonte: Baker-Group.

A campanha de marketing funcionou tão bem que os chineses passaram a ser seus principais clientes, e passaram também a comprar vinícolas vizinhas e em toda a França.

2012 e 2013
2015

O vinhos mais caro do mundo

A safra de 2015 consagrou o Líber Pater tinto, o vinho mais caro do Mundo. 30 mil euros cada garrafa.

Processado por Fraude

 Por causa do dinheiro recebido em 2012, Pasquet foi processado e multado por supostamente fraudar o uso de subsídios da União Europeia nas ações de promoção de seu vinho em países pelo mundo. Na mesma época, seus vinhedos foram vandalizados e alguns hectares perdidos e, quase tão ruim quanto isso, o INAO o processou por não respeitar as regras da denominação de origem de Graves. Ele, porém, afirma que teve permissão do próprio órgão para plantar em densidade de 20 mil videiras por hectare em 2010, 5 vezes a mais que o convencional. Recentemente, o INAO parece ter recuado e revisto sua posição sobre os métodos usados por Pasquet. “Isso é completamente louco. Temos as variedades de uvas autênticas, plantadas em seus próprios porta- -enxertos em Bordeaux, e somos proibidos de usar o nome de Graves. É inacreditável”, diz.
Fonte: Revista Adega

Foi também em 2016 que Parquet divulgou que e iniciara um projeto para produzir vinhos na Criméia, Ucrânia. A Criméia é onde se produzem grandes vinhos, infelizmente desconhecidos aqui no Brasil. O terroir é excelente e está sob o paralelo 45, o mesmo que corta a Provence na França e Piemonte na Itália.

2016

Qual é o diferencial da Liber Pater?

Simplificando: Vinhas velhas, uvas ancestrais, vinificação do século XIX e pé franco.

Vinhas de Merlot com 40 a 50 anos de idade.

Vinhas velhas.

 A propriedade comprada em 2005 já tinha vinhas de Cabernet Sauvignon e Merlot com mais de 40 anos de idade, além de Sémillon, com 80 anos.

Quanto mais velha, menos a vinha produz, em compensação a qualidade das uvas aumentam com a idade. As vinhas velhas têm raízes mais profundas, o que significa melhor absorção dos nutrientes do solo, principalmente os minerais. As uvas são mais ricas em aromas, sabores e taninos macios. Os grandes vinhos das vinícolas são elaborados com as vinhas mais antigas.

Uvas Prunelard Noir

Uvas ancestrais.

 Além das típicas Cabernet Sauvignon, Merlot, Cabernet Franc, Marselan e Petit Verdot, a aposta de Luic passou também pela recuperação de castas da época anterior à filoxera, como Saint-Macaire, Castets, Mancin, Lauzet, Camaralet, Prunelard, Tarney Coulant.

Antes da filoxera, 70% dos vinhedos de Bordeaux eram plantados com Tarney Coulant.

Ao todo, são 14 as variedades que estavam esquecidas e que pela primeira vez entram agora na composição do Liber Pater a partir da safra 2015. 

Vinificação do século XIX

Lá em cima quando expliquei sobre o nome do vinho eu avisei que você entenderia mais tarde a frase do dono da vinícola: “voltamos a origem da vinificação”, pois bem, essa é a hora.

Na prática a vinícola pratica a vinificação de baixa intervenção. Isso significa que as vinícolas membros devem ser orgânicas ou biodinâmicas e não podem adicionar nada ao vinho além de dióxido de enxofre até um máximo de 50 ppm (parte por milhão), o que é quase nada em comparação com os demais vinhos: de 125ppm a 300ppm. 

Vinícolas que praticam esse método rolam seus vinhos como orgânicos e biodinâmicos. A Liber Pater abre mão desses “títulos de marketing”. Fabricam seus vinhos com o mínimo de intervenção química e trata seus vinhedos com métodos sustentáveis e naturais, como por exemplo, o uso de insetos para comerem os pulgões e outras pragas.

Antigamente, quando não existiam as tecnologias de controle e detecção de pragas era comum se plantar flores ao lado dos vinhedos para que elas, mais sensíveis a insetos e outros inimigos, fossem atacadas e alardeassem sobre os riscos que o vinhedo sofria. Hoje há inúmeros outros meios para isso, mas elas continuam lá, embelezando os vinhedos pelo mundo e nos lembrando que os vinhos são sim parte da história engarrafada.

A filoxera.

“Quando mudas tudo, mudas o sabor do vinho”, explica o antigo engenheiro da Peugeot que, na virada do século, decidiu “seguir o sonho” de “fabricar vinhos finos de Bordéus como eram fabricados de antes da filoxera”.

A filoxera chegou à Europa em 1863, ela obrigou os viticultores europeus a usarem “cavalos americanos” (enxertos de vinhas americanas, com suas raízes naturalmente resistentes ao pulgão, foram plantados e enxertados com as vinhas europeias). Os cavalos americanos eram fincados no solo e as cepas europeias formavam as copas.

Copa enxertada no cavalo.

Pé franco.

“Os meus vinhos são exatamente como um vinho de Graves na época da Classificação de Bordeaux de 1855”, garante Pasquet, que se apoia na história da região para sustentar suas ideias. Alteio que a filoxera chegou 8 anos depois da classificação que determinou a hierarquia dos Crus. Segundo ele, a margem esquerda de Bordeaux está plantada de forma totalmente errada hoje em dia.

“Não deveria haver Merlot, nem enxertos, nem Sauvignon Blanc na margem esquerda. Antes da filoxera, 70% dos vinhedos de Bordeaux eram plantados com Tarney Coulant”, diz. Na época, essa variedade era a principal do Château d’Issan, por exemplo. “Sim, havia Cabernet Sauvignon, mas havia também Castet, Saint-Macaire, Carménère e Merlot – mas não na margem esquerda”, garante.

“Antes da filoxera, cada variedade tinha um tipo de solo. A Merlot, era plantada na argila, a Cabernet Sauvignon no cascalho, a Petit Verdot nas áreas úmidas. Se você colocar Petit Verdot não enxertada no cascalho, ela morre. Se colocar Cabernet Sauvignon em um local úmido, ela morre. Não havia  Merlot antes da filoxera, antes dos enxertos, na margem esquerda. Na margem direita, sim, mas não é o mesmo solo”, revela Pasquet.

“Hoje eles colocam Merlot na margem esquerda, no cascalho, mas é uma loucura. Há um excesso de maturidade, obviamente… Se você quiser obter uma boa nota de um crítico, você tem que fazer vinhos que sejam gordos e doces. É por isso que plantaram Merlot no cascalho, para fazer vinhos gordurosos e doces. Eles venderam suas almas!”, declara. 


A importância do terroir

Um tipo único de solo

Todas as informações desse capítulo são do site: Le Dom Vin

A propriedade de Loïc abrange cerca de 7 hectares de vinhas plantadas em um local com um solo muito original composto de cascalho velho, areia e minerais. São depósitos de origem marinha e continental acumulados nos últimos 50 milhões de anos.

Dualidade das origens dos depósitos sedimentares no mapa Bassin Girondin por Becheler Conseils

Imagem: Becheler Conseils, de seu Relatório de História Geológica de 2017 

(com a adição de Langon, Landiras e Liber Pater por © LeDomduVin) 

As várias camadas de depósitos foram gradualmente criadas ao longo do tempo pelas numerosas transgressões e regressões marinhas da bacia sedimentar do Gironde, também influenciadas pelos vários movimentos de massa que ocorreram entre o mar e os continentes, e pela proximidade com o “Anticlinal Villagrains-Landiras” .

Diagrama da distribuição e origem dos vários depósitos no sinclinal Girondino. Imagem: Becheler Conseils, de seu Relatório de História Geológica de 2017

5,3 milhões de anos atrás, o mar retirou-se completamente da Bacia da Aquitânia (e do Departamento de Gironda como um todo). Esta regressão marinha final se arrastou ao longo de partes do continente devido à erosão do solo e gradualmente se depositou areia e argila e mais especialmente cascalho (seixos) em seu caminho nos solos emergidos. Daí o nome da região “Túmulos”, devido à sua quantidade significativa de seixos nos solos. Para aqueles de vocês que podem não ter idéia do que estou falando:

Transgressão Marinha: é um evento geológico durante o qual o nível do mar sobe em relação à terra e a linha da costa se move em direção a terrenos mais elevados, resultando em inundações do mar cobrindo terras previamente expostas. As transgressões podem ser causadas pelo afundamento da terra ou pelas bacias oceânicas se enchendo de água (ou diminuindo sua capacidade).

Regressão marinha: é um processo geológico que ocorre quando o nível do mar desce ou desce progressivamente e áreas do fundo do mar submersas ficam expostas acima do nível do mar.

Exemplo de corte de solo, anticlinha e sinclina. Imagem: © LeDomduVin 2018

Sinclinal se refere a uma depressão ou dobra de rocha estratificada na qual os estratos se inclinam para cima a partir do eixo e a anticlinal se refere ao oposto, os estratos se inclinam para baixo a partir do eixo (ver ilustração acima).Se estou insistindo no tipo de solo, e mais especialmente na camada de areia abaixo do solo de cascalho, é porque Loïc falou muito sobre isso durante nosso encontro como um fator-chave para prevenir a Filoxera, para assim lhe permitir plantar e cultivar sem enxerto videiras.

Tentei pesquisar e encontrar na internet um mapa claro dos solos ao redor de Landiras mostrando aquele ponto específico onde os vinhedos de Liber Pater estão localizados, a fim de mostrar por que seu terroir e particularidades de solo são tão “únicos” nesta área, mas eu não foi capaz de encontrar um. Então, eu olhei em encontrei um mapa interessante em um livro chamado “Le Vignoble Girondin” por Germain Lafforgue, 1ª edição de 1947, que está disponível nesse site aqui.

Recomendo esse livro pra todos os amantes do vinho que querem imergir nos conhecimentos sobre terroirs, este livro se tornou minha Bíblia do Vinho, não confundir com A “Bíblia do Vinho” de Karen MacNeil, (por quem tenho muito respeito e sempre admiro, e seu livro sempre foi um fonte de referências e parte da minha coleção pessoal de livros sobre vinhos desde seu primeiro lançamento em 2001, mas que infelizmente é difícil de achar aqui no Rio de Janeiro).

Fontes:

https://www.ledomduvin.com/2018/11/liber-pater-casual-meeting-with-loic.html

https://www.indianwineacademy.com/item_5_762.aspx

https://revistaadega.uol.com.br/artigo/historia-do-liber-pater_11440.html

https://pt.baker-group.net/articles/news-of-the-confectionery-world-articles/glv-liber-pater-vypustit-velikoe-krymskoe-vino.html

https://shop.viverosbarber.com/pt/cultivo-da-videira.html


Ainda ficou com alguma dúvida? Deixe ela nos comentários.

5 e-books, 400 págs.

Saiba tudo sobre Vinhos

Quer falar sobre vinhos como um especialista?

De R$ 49,90 por R$ 4,90

Cupom expira em 01/02/2020:

Dias
Horas
Minutos
Segundos
A promoção acabou. Aguarde a próxima.
Shape
Shape

Gostou dessa postagem?

Explore as anteriores.

Não esqueça de deixar sua crítica, sugestão ou dúvida nos comentários. AJUDE O BLOG TORNANDO-SE MEMBRO OU CLICANDO EM UM ANÚNCIO.

12 respostas

    1. É sim. É tendência mundial entre o pessoal que quer melhorar o mundo derrubando o que já está pronto pra construir outro no lugar. Se você achou nojento, você é normal como eu. Como a maioria.

  1. Sem álcool em gel já estaríamos todos mortos, mas parece que algumas pessoas não entendem como é importante ouvir os especialistas.

  2. Para o brandy ser considerado Cognac, necess rio que as uvas tenham sido cultivadas, fermentadas e destiladas na Fran a, mais especificamente na regi o de Charente, ao norte de Bordeaux. l que est localizada a cidade de Cognac, que deu nome bebida.

    1. Não. Errado.
      O Conhaque originou-se na região de Cognac, próxima a costa leste, quando marinheiros franceses, precisando de espaço nos porões dos navios, resolveram destilar o vinho popular produzido ali. Do acondicionamento dessa bebida destilada em barricas de carvalho, surgiu a cor dourada, hoje típica do conhaque. A região não fica em Bordeaux, fica longe, bem ao norte do outro lado do Garona (Garonne).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »
error: Quer uma cópia do artigo? Me peça via WhatsApp. É grátis!