fbpx

Mais uma postagem politicamente incorreta pra pra você.

MG registra primeiro morto por contrair Covid-19 pela segunda vez. Veja a atualização da lista de sintomas.

Conteúdo protegido. Quer uma cópia? Comente, compartilhe e me chame no WhatsApp.

O que você imaginar, personalizamos pra você.

Surpreenda no presente de casamento, bodas, aniversários. Clique na imagem e saiba mais no site do fabricante.

A vítima é um auxiliar de enfermagem da cidade mineira Itatiaiuçu. Libério Tadeu Fonseca Pereira (22 anos) apresentou dois testes positivos para a doença – ambos do tipo RT-PCR, considerado “padrão-ouro” no diagnóstico da virose. O primeiro foi realizado em 19 de abril na Policlínica de Itatiaiuçu. Na ocasião, o rapaz foi acometido por sintomas brandos, cumpriu isolamento domiciliar e voltou ao trabalho após 14 dias de afastamento. Faleceu nessa segunda feira (06/07/2020) e o resultado saiu ontem.

Libério morava com a mãe, o pai e uma tia. Da primeira vez em que ele foi diagnosticado com a COVID-19, os demais membros da família não contraíram o vírus. Já da segunda vez em que o jovem apresentou os sintomas, todos os familiares apresentaram exames positivos para o novo coronavírus.

A mãe do rapaz morreu da doença pouco antes do filho. O óbito de Edriana de Fátima Pereira Fonseca, de 44 anos, ocorreu em 4 de julho, dois dias após sua internação também no Hospital Manoel Gonçalves de Sousa Moreira. 
A secretária de Saúde relata ainda que Edriana sofria de uma síndrome genética rara desencadeada pela mutação no gene GATA2, que provoca baixa de imunidade do organismo. A condição, possivelmente, tornou a mulher mais suscetível à virose. “É provável que o filho dela também tivesse a síndrome e que por isso não tenha sobrevivido à COVID-19, embora fosse tão novo. Mas ele não tinha diagnóstico da mutação genética. Ainda estamos investigando”, afirma a gestora.

Em ambos os casos o tratamento foi postergado até o agravamento dos sintomas. O protocolo da Secretaria de Saúde da cidade mineira ordena que os pacientes com sintomas leves devem ficar em casa e só procurar tratamento quando já estiver conversando com a morte. Depois que já tiver certa intimidade com o Zé Maria, já pode ir ao médico pra usar os caríssimos ventiladores (respiradores) comprados a peso de ouro.

Minha opinião.

“As autoridades continuam com as proibições de aberturas de lojas, apesar de manter manter farmácias e supermercados abertos. como se esses brasileiros fossem imunes e os demais são super sensíveis a doença.

Pessoas que vivem numa realidade paralela, onde são detentoras exclusivas da bondade humana, continuam defendendo o lockdown e tratam os comerciantes que abrem suas lojas como psicopatas genocidas, denunciam quem não usam máscara – todo mundo é obrigado a ser histérico e medroso, senão é genocida – e os políticos têm nelas o apoio necessário pra manter suas políticas de medo, que está condenando muitas pessoas à fome e ao despejo. Quem são? Funcionários públicos, empregados de empresas públicas, publicitários e demais que podem trabalhar em casa sem problemas e esquerdistas de todo o tipo que sonham que sua ideologia retorne ao poder, pra isso torcem pela quebra da economia, pelo caos, pelo quanto pior, melhor.

A covardia virou virtude. Se na década de 30 e 40 jovens de 16 anos enfrentavam a morte quase certa nos campos de batalha da Europa, jovens de 22 anos pilotavam caças e bombardeiros, hoje esse pessoal teme sair de casa e trata como nazista quem o faz.”

Eduardo Sabino

Mas é só minha opinião.

Atualização das lista de sintomas. Fonte: Ministério da Saúde – julho de 2020.

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia

Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Lista de sintomas do novo coronavírus aumenta a cada semana

Em nove meses, o que começou como uma gripe clássica se transformou em um catálogo de síndromes que podem levar à morte.

Da cabeça à ponta dos pés, passando pelos pulmões ou os rins. A lista de sintomas provocados pelo novo coronavírus aumenta a cada semana e poucos órgãos parecem a salvo da doença, com formas que variam de benignas a muito graves.

Em nove meses, o que começou como uma gripe clássica se transformou em um catálogo de síndromes que em suas formas mais graves ativam as já famosas “tempestades de citocinas”, uma aceleração da reação imunológica que pode levar à morte.

Não é raro que um vírus provoque tantas manifestações, mas alguns sintomas da SARS-CoV-2, como a perda de olfato ou a formação de coágulos sanguíneos parecem muito específicos desta epidemia.

“A maioria dos vírus podem prejudicar o tecido onde se reproduzem ou provocar danos colaterais do sistema imunológico que combate as infecções”, explica Jeremy Rossman, virologista da universidade britânica de Kent.

Os médicos suspeitam que a COVID-19 é responsável pela hospitalização de dezenas de crianças em Nova York, Londres e Paris que apresentam quadros inflamatórios “multissistêmicos” raros, que se assemelham a uma forma atípica da doença de Kawasaki ou uma síndrome de choque tóxico, que ataca as paredes das artérias e pode provocar uma falência dos órgãos.

Dezenas de estudos médicos descrevem outras consequências potencialmente letais da doença, como acidentes vasculares cerebrais e problemas cardíacos.

Os cientistas da Universidade de Medicina de Nanjing (China) reportaram casos de pacientes que desenvolveram complicações urinárias e problemas renais agudos.

Também observaram alterações nos hormônios sexuais masculinos, motivo pelo qual aconselham os jovens que desejam ter filhos que consultem um médico após a recuperação.

– “Desconfiar de quase tudo” –

O leque de sintomas é único? Não necessariamente. “Em uma doença corrente, as complicações, mesmo que raras, também acontecem”, explica à AFP Babak Javid, especialista em doenças infecciosas do centro hospitalar universitário de Cambridge.

Mais de quatro milhões de casos foram declarados no mundo, mas o verdadeiro número de infecções pode ser “de dezenas ou inclusive centenas de milhões”, de acordo com Javid. “Se uma pessoa em cada mil, ou inclusive uma a cada 10.000, desenvolve complicações, isto significa realmente milhares de pessoas”.

Os médicos generalistas, na frente de batalha, foram os primeiros a tentar descobrir os esquemas da evolução da epidemia.

“Nos afirmaram em um primeiro momento: febre, dor de cabeça, tosse. Depois adicionaram o nariz com coriza, a garganta que arranha. Depois, alguns sintomas digestivos: diarreia, dor de estômago”, afirma Sylvie Monnoye, médica de família em Paris.
Depois as dores na caixa torácica, a perda do paladar e do olfato, problemas de pele como urticária ou frieira nos dedos dos pés, problemas neurológicos… “Começamos a pensar que era necessário desconfiar de quase tudo” comenta a doutora Monnoye.

– Lentidão das autoridades de saúde

Um relatório do Centro de Prevenção e Luta contra as Doenças (CDC) dos Estados Unidos analisou os sintomas de 2.591 pacientes hospitalizados entre 1 de março e 1 de maio.

Quase 75% dos pacientes apresentaram calafrios, febre e/ou tosse, e quase todos dificuldades respiratórias, os sintomas mais comuns do novo coronavírus.

Quase um terço reclamou de cãibras, o mesmo percentual de diarreia; 25% de náuseas ou vômitos. Quase 18% tinham dores de cabeça, de 10 a 15% tinham problemas pulmonares ou abdominais, nariz escorrendo, dores de garganta.

Até o fim de abril, o CDC havia enumerado apenas três sintomas: tosse, febre e dificuldades respiratórias. O site oficial foi atualizado desde então, mas adicionou apenas os calafrios, cãibras, dor de cabeça e perda de olfato. As autoridades francesas fizeram o mesmo no início de maio.

– Coágulos sanguíneos, falhas renais

A perda do olfato (anosmia) e do paladar (ageusia) foi reportada por 3,5% dos pacientes do estudo do CDC, mas os especialistas acreditam que estes sintomas são mais extensos entre os casos menos graves.

A anosmia e a ageusia acontecem raramente com outros vírus. O mesmo ocorre com os coágulos sanguíneos, que os estudos vinculam com problemas cardíacos, trombose hepáticas, embolias pulmonares e lesões cerebrais nos pacientes de COVID-19.

“Quando um paciente de COVID-19 está muito afetado, pode ter problemas de coágulos sanguíneos, que são muito mais frequentes que com outros vírus”, segundo Babak Javid, que conclui: “Comparado com a gripe, há muito mais probabilidades de estar grave e de morrer”

Fonte: O Estado de Minas

5 e-books, 400 págs.

Saiba tudo sobre Vinhos

Quer falar sobre vinhos como um especialista?

De R$ 49,90 por R$ 4,90

Cupom expira em 01/02/2020:

Dias
Horas
Minutos
Segundos
A promoção acabou. Aguarde a próxima.
Shape
Shape

Gostou dessa postagem?

Explore as anteriores.

Não esqueça de deixar sua crítica, sugestão ou dúvida nos comentários. AJUDE O BLOG TORNANDO-SE MEMBRO OU CLICANDO EM UM ANÚNCIO.

12 respostas

    1. É sim. É tendência mundial entre o pessoal que quer melhorar o mundo derrubando o que já está pronto pra construir outro no lugar. Se você achou nojento, você é normal como eu. Como a maioria.

  1. Sem álcool em gel já estaríamos todos mortos, mas parece que algumas pessoas não entendem como é importante ouvir os especialistas.

  2. Para o brandy ser considerado Cognac, necess rio que as uvas tenham sido cultivadas, fermentadas e destiladas na Fran a, mais especificamente na regi o de Charente, ao norte de Bordeaux. l que est localizada a cidade de Cognac, que deu nome bebida.

    1. Não. Errado.
      O Conhaque originou-se na região de Cognac, próxima a costa leste, quando marinheiros franceses, precisando de espaço nos porões dos navios, resolveram destilar o vinho popular produzido ali. Do acondicionamento dessa bebida destilada em barricas de carvalho, surgiu a cor dourada, hoje típica do conhaque. A região não fica em Bordeaux, fica longe, bem ao norte do outro lado do Garona (Garonne).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »
error: Quer uma cópia do artigo? Me peça via WhatsApp. É grátis!