fbpx

Mais uma postagem politicamente incorreta pra pra você.

Mais que um vinho, um grito pra exorcizar esse ano difícil. Que Se Foda 2020 já está disponível pra venda.

Que Se Foda 2020: compre o vinho mais vendido na internet.

Conteúdo protegido. Quer uma cópia? Comente, compartilhe e me chame no WhatsApp.

O que você imaginar, personalizamos pra você.

Surpreenda no presente de casamento, bodas, aniversários. Clique na imagem e saiba mais no site do fabricante.

Chegou com um rótulo que não pedia desculpas: Que se foda. E as primeiras mil garrafas voaram logo, esgotando um vinho que se tornou um inesperado sucesso de vendas. Agora, ele está de regresso, mas exclusivamente branco.

Que se foda 2020: o vinho viral está de volta, agora em branco - NiT
Imagem: site do produtor.

O novo vinho já se encontra à venda online. Custa 15€ (R$95,78) a garrafa ou pode encomendar logo três por 42€ (R$ 268,00). Este é um daqueles casos em que é bom que se despache porque vai desaparecer rapidamente. Já as caixas de seis garrafas custam 60€ (R$ 383,00). O novo branco está já à venda mas só começará a ser distribuído a partir de 10 de janeiro de 2021.

Ele ainda não é representado/importado no Brasil, mas você pode comprá-lo no site do produtor: Que Se Foda Online.

O novo rótulo mantém as letras pequenas mas bastante afirmativas e conta com toda uma nova piada: por baixo do nome que ficou viral surge “o tinto” e logo abaixo a explicação: “É o único branco que diz tinto”.

O rótulo foi criado pelo artista plástico português Francisco Eduardo, de 36 anos, que se juntou à Adega da Azueira, da região de Lisboa, para desenvolver este projeto. “A ideia veio deste ano que todos estamos a passar. As pessoas estão descontentes com não poderem sair de casa, de não fazer o que faziam. Senti a necessidade de o exteriorizar”, explicou na altura Francisco Eduardo à NiT.

Depois do tinto, chega então o vinho branco para satisfazer outras preferências. O espírito e a mensagem sobre este estranho ano de 2020 mantém-se.

Adega Azoeira.

Com esse nome entendi porque escolheram a adega certa: a zoeira não tem limites.

Acertou!

Na visão de Bruno Ferreira, diretor de marketing da Adega de Azueira, a aceitação do Que se Foda foi “fenomenal”, um caso a ser estudado.  “Esta irreverência pode ser algo muito positivo para a região de Lisboa, que precisa muito de ser catapultada”. No que depender do público, Que se Foda tem uma longa carreira pela frente.

Achou boa a idéia? Achou ofensiva? Deixe seu comentário.

5 e-books, 400 págs.

Saiba tudo sobre Vinhos

Quer falar sobre vinhos como um especialista?

De R$ 49,90 por R$ 4,90

Cupom expira em 01/02/2020:

Dias
Horas
Minutos
Segundos
A promoção acabou. Aguarde a próxima.
Shape
Shape

Gostou dessa postagem?

Explore as anteriores.

Não esqueça de deixar sua crítica, sugestão ou dúvida nos comentários. AJUDE O BLOG TORNANDO-SE MEMBRO OU CLICANDO EM UM ANÚNCIO.

12 respostas

    1. É sim. É tendência mundial entre o pessoal que quer melhorar o mundo derrubando o que já está pronto pra construir outro no lugar. Se você achou nojento, você é normal como eu. Como a maioria.

  1. Sem álcool em gel já estaríamos todos mortos, mas parece que algumas pessoas não entendem como é importante ouvir os especialistas.

  2. Para o brandy ser considerado Cognac, necess rio que as uvas tenham sido cultivadas, fermentadas e destiladas na Fran a, mais especificamente na regi o de Charente, ao norte de Bordeaux. l que est localizada a cidade de Cognac, que deu nome bebida.

    1. Não. Errado.
      O Conhaque originou-se na região de Cognac, próxima a costa leste, quando marinheiros franceses, precisando de espaço nos porões dos navios, resolveram destilar o vinho popular produzido ali. Do acondicionamento dessa bebida destilada em barricas de carvalho, surgiu a cor dourada, hoje típica do conhaque. A região não fica em Bordeaux, fica longe, bem ao norte do outro lado do Garona (Garonne).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »
error: Quer uma cópia do artigo? Me peça via WhatsApp. É grátis!