fbpx

Mais uma postagem politicamente incorreta pra pra você.

Shirah: história e origem.

Conteúdo protegido. Quer uma cópia? Comente, compartilhe e me chame no WhatsApp.

O que você imaginar, personalizamos pra você.

Surpreenda no presente de casamento, bodas, aniversários. Clique na imagem e saiba mais no site do fabricante.

Foto: Eduardo Sabino no vinhedo da Vinícula Quintay, Vale do Casablanca-Chile.

Olá!!
Hoje voltamos com mais uma casta bem apreciada, a Syrah.
A série – Falando de vinhos e& Cia, hoje vem trazendo uma casta bem versátil, pois é bem utilizada como varietal e em cortes, por todo o mundo.
A Syrah é considerada uma das mais antigas variedades de uvas que existem, talvez a mais antiga, sua origem mitológica data da antiguidade. Apesar de ter ganhado força no sul da França, atualmente, ela está presente em diversas vinícolas ao redor do mundo, do Chile aos Estados Unidos, passando pela África do Sul e Austrália, onde ela é a principal casta plantada, e produz alguns dos vinhos mais conhecidos, apreciados e premiados de todos os tempos.

Origem: Rhone
Região do ‘Vallé du Rhône’, onde surgiu e se consagrou a uva Syrah.
Existem algumas lendas e alguns fatos concretos envolvendo a origem desta casta tão conhecida mundo afora. São três as possíveis origens desta tinta intensa: alguns acreditam que ela veio da Sicília, região sul da Itália, mais especificamente da cidade de Siracusa; outros reproduzem a lenda de que ela veio da cidade de Shiraz, território do antigo império persa, hoje Irã, e teria chegado à França através de cavaleiros das cruzadas; a versão melhor documentada e mais plausível diz que a Syrah é uma uva genuinamente francesa, “descendente” de variedades de uvas francesas (estudos científicos de tipagem de DNA demonstraram ser esta a explicação mais provável para sua origem, a Syrah é “filha” das castas Dureza (tinta) e Mondeuse (branca)).

O certo é que a Syrah encontrou no sul da França, na região do Vale do Rhône (Ródano), condições ideais para crescer, se desenvolver e se tornar uma das principais castas da viticultura internacional, nos anos 2000 ela se tornou uma das dez principais uvas cultivadas por hectare no mundo. Ganhou personalidade na cultura de vinhos no Velho Mundo e alastrou-se pelas cidades francesas que estão à beira do imponente rio que leva o nome do Vale.

A Syrah recebe o nome de Shiraz na Austrália – onde possui plantação desde o século XIX – assim como nos Estados Unidos, na Africa do Sul e por vezes no Chile e na Argentina.

Características
A Syrah é uma uva tinta de vermelho exuberante e intenso, denotando bons taninos. Seus vinhos são sempre profundos e escuros em demasia. Sua qualidade pode ser comprometida se cultivada em volumes muito altos por hectare. Mas, acima de tudo, é uma casta magnifica e equilibrada, tem maturação tardia, envelhece até por meio século, cresce e se adapta em inúmeras áreas do globo, especialmente nas quentes, altamente resistente a pragas e de ótimo rendimento na vinicultura.

O aroma e sabor da Syrah variam de acordo com a região onde é cultivada, mas é sempre uma casta equilibrada, com vinhos profundos.
Seu aroma e sabor variam de acordo com a região onde é cultivada: na França, o toque de especiarias e o sabor picante se sobressaem; já na Austrália, aromas e sabores de frutas maduras escuras, como ameixa, cereja e amora são marcantes. A quantidade de acidez e doçura na Syrah também depende da região em que é cultivada: no chamado Novo Mundo, países como Estados Unidos e a já citada Austrália, onde há muito mais a presença do sol, as uvas ficam com maior nível de açúcar e menor de acidez.

Os vinhos Syrah
Como ela se espalhou por diversos países, os vinhos que esta uva produz são diversificados e possuem características próprias de cada região. Mas todos são notáveis e distintos, complexos e equilibrados na medida certa, com qualidades indubitáveis e sabor vivaz, são estruturados e possuem taninos com maciez que fazem o prazer de degustadores do mundo todo.

Ao norte do Vale do Rhône, na França, a Syrah produz vinhos mais concentrados, seus sabores são mais acentuados, e sua estrutura mais elaborada. Os melhores e mais conhecidos são os Hermitage e Côte Rôtie. Ao sul, e em outras cidades francesas, esta tinta quase nunca é a uva principal, ela mistura com outras castas, especialmente a Grenache, na produção de vinhos elegantes.

A caixa de vinho mais cara da história tinha doze garrafas de um vinho produzido com Syrah: o Hermitage La Chapelle, considerado um dos grandes vinhos de todos os tempos pela revista norte-americana Wine Spectator.

No Novo Mundo, na Austrália e Estados Unidos, notadamente, são produzido vinhos densos, extremamente frutados e maduros, e com menos taninos se comparado aos vinhos europeus da mesma casta. Um dos mais conhecidos e apreciados é o australiano Penfolds Grange. Outros países que merecem destaque na produção, são África do Sul, Chile e Argentina.

Shirah ou Shiraz? Há diferença?
Quanto ao tipo de casta, não. Quanto ao estilo do vinho, sim.
Especialistas em enologia convergem na opinião de que shirah (com H), representam o estilo de vinhos francês, mais tânico e mais verdeal, e Shiraz (com Z), o estilo do novo mundo, mais elegante e mais amadeirado.  É fácil notar esta diferença quando degustamos as cegas vinhos franceses e australianos.  Chile e Argentina utilizam as duas nomenclaturas, e não é por acaso, os enólogos já querem dizer no rótulo que estilo de vinho teremos dentro da garrafa.

Na África do Sul, pode-se encontrar Syrah em quase todas as regiões, sendo eles intensos de cor e sabor. Na Argentina, especialmente em Mendoza e no Vale de Uco, a uva vem evoluindo bastante: se antes a variedade era apenas encontrada em cortes, hoje vemos muitos vinhos 100% Syrah. Nesse quesito, o Chile se antecipou aos Argentinos. O país produz, além de muitos varietais a preços acessíveis, Syrah de altíssima qualidade – Colchagua e Aconcágua são os maiores destaques.

Os vinhos Syrah harmonizam bem com comidas de sabores ricos.
De uma maneira geral, a Syrah é uma uva de bastante intensidade, seus vinhos podem ir de robustos a suaves, de exóticos a simples, bastante envelhecidos a jovens, mas todos com sabores emblemáticos e opulentos. Além de harmonizarem bem com pratos ricos em sabores como assados de cordeiro, carne bovina, aves e queijos amarelos.

Eduardo Sabino é sommelier da rede Supermarket. Formado pela ABS-RJ e Wine and Spirits Education Trust da Inglaterra  (EnoCultura).

5 e-books, 400 págs.

Saiba tudo sobre Vinhos

Quer falar sobre vinhos como um especialista?

De R$ 49,90 por R$ 4,90

Cupom expira em 01/02/2020:

Dias
Horas
Minutos
Segundos
A promoção acabou. Aguarde a próxima.
Shape
Shape

Gostou dessa postagem?

Explore as anteriores.

Não esqueça de deixar sua crítica, sugestão ou dúvida nos comentários. AJUDE O BLOG TORNANDO-SE MEMBRO OU CLICANDO EM UM ANÚNCIO.

12 respostas

    1. É sim. É tendência mundial entre o pessoal que quer melhorar o mundo derrubando o que já está pronto pra construir outro no lugar. Se você achou nojento, você é normal como eu. Como a maioria.

  1. Sem álcool em gel já estaríamos todos mortos, mas parece que algumas pessoas não entendem como é importante ouvir os especialistas.

  2. Para o brandy ser considerado Cognac, necess rio que as uvas tenham sido cultivadas, fermentadas e destiladas na Fran a, mais especificamente na regi o de Charente, ao norte de Bordeaux. l que est localizada a cidade de Cognac, que deu nome bebida.

    1. Não. Errado.
      O Conhaque originou-se na região de Cognac, próxima a costa leste, quando marinheiros franceses, precisando de espaço nos porões dos navios, resolveram destilar o vinho popular produzido ali. Do acondicionamento dessa bebida destilada em barricas de carvalho, surgiu a cor dourada, hoje típica do conhaque. A região não fica em Bordeaux, fica longe, bem ao norte do outro lado do Garona (Garonne).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »
error: Quer uma cópia do artigo? Me peça via WhatsApp. É grátis!